CD abriu processos aos presidentes do FC Porto e Vitória de Setúbal

Pinto da Costa
Pinto da Costa; FC Porto. Fotografia: Ivo Carvalho

Em causa declarações de Pinto da Costa sobre a ação dos árbitros durante esta época e de Vítor Hugo Valente após o encontro de segunda-feira frente ao Boavista

Na sequência de uma denúncia do Conselho de Arbitragem, o Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol abriu um processo a Pinto da Costa e a Vítor Hugo Valente.

“Infelizmente, parece que por vezes é mais fácil para o FC Porto ter êxito nas competições europeias, frente a rivais mais difíceis, do que em Portugal, onde muitas vezes os adversários vestem de preto, andam com um apito na boca ou estão sentados em frente a ecrãs de televisão. Triste o país onde abundam as paixões vermelhas e os pinheiros pouco iluminados, sempre disponíveis para subverter a classificação do campeonato, como agora o fizeram, demostrando que o crime compensa e que não há camião de coação que não continue a dar resultados”, afirmou o presidente do FC Porto no editorial da Dragões.

“O que se passou dentro do campo é um nojo. Expulsou-nos um jogador quando não era para expulsar – estou a falar do Semedo. Quem quiser, veja o lance, no máximo, era um amarelo. A seguir, não é para expulsar o Cádiz. O árbitro põe o cartão dentro do bolso e é o quarto árbitro que diz: ‘Expulsa. Expulsa. Expulsa.’ O Zequinha diz apenas: ‘Isto não é vermelho. Isto não é vermelho.’ e é expulso. O que é isto? O que é isto que vêm aqui fazer a Setúbal? Isto é um clube sério, uma terra de gente honesta. Não brincam connosco. Nós não deixamos. Este senhor não [nos] apita mais. Este carteiro não entrega mais encomendas em Setúbal porque não põe mais cá o pé, porque nós não deixamos”. Declaração de Vítor Hugo Valente, presidente do Vitória de Setúbal, indignado após a derrota em casa com o Boavista.